Obras inacabadas oferecem riscos nas ruas de Caxias do Sul
Avalie esta postagem

Canos e caixas de esgoto aparentes e sem proteção, asfalto ou paralelepípedos colocados pela metade e sinalização precária são situações observadas em áreas de grande movimentação na área central da cidade

Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

 

Obras inacabadas em dois bairros de Caxias do Sul têm causado transtornos para motoristas que trafegam nesses locais. Além de não haver expectativa para a finalização do serviço, moradores e proprietários de empresas reclamam, principalmente, dos riscos que os buracos abertos oferecem. Mesmo distantes, as obras estão em situação semelhante: canos e caixas de esgoto aparentes e sem proteção, asfalto ou paralelepípedos colocados pela metade e sinalização precária.

Na Rua Coronel Camisão, bairro Nossa Senhora de Lourdes, o Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae) construiu uma nova caixa de tratamento de esgoto. Após finalizado o serviço, ainda no mês passado, uma forte chuva levou parte da estrutura de acabamento, abrindo um buraco ao redor da caixa de concreto. 

Um morador das redondezas diz que já contatou várias vezes a prefeitura, mas nenhum conserto foi providenciado. O buraco fica entre a Avenida Julio de Castilhos e a Rua Pinheiro Machado.

— Apesar não ser na calçada, o buraco pode, sim, machucar alguém. Ninguém está livre de tropeçar na rua, mas se acontecer isso com ela aqui, ela pode se machucar feio — lamenta o homem, que pede para não ser identificado.

A pelo menos quatro quadras dali, na descida da Pinheiro Machado até a Treze de Maio, outra obra na tubulação foi finalizada sem os devidos reparos. Neste caso, era a Companhia de Desenvolvimento de Caxias do Sul (Codeca) que deveria ter direcionado funcionários para cobrir o buraco com asfalto. O problema ficou exposto por 15 dias, porém, assim que a reportagem entrou em contato, uma equipe já foi direcionada para concluir a obra: na manhã de quarta-feira, tudo estava resolvido.

Já na Rua La Salle, no bairro São Pelegrino, é a qualidade do serviço que a comunidade contesta. Entre as ruas Machado de Assis e Irma Valiera, o Samae constrói uma rede de esgoto de 345 metros desde setembro. Como a obra é por etapas, partes já foram finalizadas. Conforme o síndico de um edifício comercial, as partes concluídas já apresentam afundamentos e buracos.

— Eu me questiono onde está a fiscalização das obras públicas. Será que nenhum responsável acompanha e pode apontar defeitos antes de dizerem que acabaram? As máquinas ainda estão trabalhando. Custa já consertar o que ficou mal feito? É perceptível que não tem qualidade alguma e é inaceitável ver o dinheiro público jogado no lixo — desabafa Juarez Marchet.

De acordo com a assessoria de imprensa do Samae, os problemas foram causados, provavelmente, pela chuva. A autarquia não soube responder se há funcionários destinados para fiscalizar o conserto após a conclusão dos trabalhos. Na próxima semana, a obra avança para a etapa final, mas sem prazo para ser entregue.

Ainda segundo o Samae, no caso da Rua Coronel Camisão, até segunda-feira o buraco deve ser tapado.

 

Fonte: http://pioneiro.clicrbs.com.br/rs/geral/noticia/2017/11/obras-inacabadas-oferecem-riscos-nas-ruas-de-caxias-do-sul-10049576.html